Enfrentar um câncer é trabalho em tempo integral | Batalhadoras Femama
Femama Batalhadoras. Todo dia uma vitória contra o câncer de mama. Marlí Marcon

Dicas

Enfrentar um câncer é trabalho em tempo integral

Não se culpe, nem se envergonhe por mudar as prioridades: você tem que estar em primeiro lugar

07/06/2018 - No que diz respeito a essa doença, nada é fácil. Curar-se de um câncer é trabalho em tempo integral e é importante canalizar toda a sua energia nesse objetivo.

Em primeiro lugar, há o choque do diagnóstico. Quem já viveu isso sabe: é como se uma fenda se abrisse no chão tragando o mundo tal como o conhecíamos até então. Depois, vem a batalha para vencer a doença, e cuidar da saúde tem que ser a prioridade: 24 horas por dia, sete dias na semana. A incerteza faz parte da nossa trajetória, mas enfrentar o câncer é estar confinado nesse território. 

Não se culpe, nem se envergonhe por mudar as prioridades: você tem que estar em primeiro lugar. Coma mesmo que o apetite não ajude. Descanse. Se tiver disposição, faça uma pequena caminhada. E descanse. Beba água. E descanse. Não sinta culpa por deixar de fazer coisas. Não se envergonhe de aceitar ajuda: do amigo que se oferece para fazer companhia durante a sessão de quimioterapia, da prima que prepara uma comidinha gostosa que lembra a infância.

Há ainda mais desafios quando se concilia trabalho e tratamento. No site da American Cancer Society (ACS)  há conselhos para quem está nessa situação:

1) Planeje as sessões de quimio para o fim do dia ou antes do fim de semana, para ter mais tempo de se recuperar.

2) Se possível, trabalhe em casa alguns dias na semana. Pode ajudar a controlar o cansaço e permitir que você se poupe caso não se sinta bem.

3) Não se furte de pedir ajuda a amigos e parentes para as tarefas domésticas. Se couber no orçamento, contrate um empregado.

4) Não esconda dos colegas que está fazendo um tratamento. Eles podem ser uma fonte de apoio para reorganizar a rotina de trabalho. Faça uma lista das suas tarefas de forma que os outros possam assumi-las caso seja necessário.

5) Informe seu chefe se os arranjos feitos estão funcionando. E não tenha vergonha de avisar que não poderá trabalhar porque se sente prostrado com os efeitos colaterais do tratamento.

Não minimize os medos e a fragilidade que tomam conta de todos. Depois vem a remissão e o cuidado continua. Parece que a vida é um perpétuo depois, como se essa experiência funcionasse como uma ponte entre sua antiga existência e uma nova. Um brinde a ela!

Fonte: G1 Bem Estar, 07/06/2018 


Compartilhe: